OS 4 ELEMENTOS QUE DEVEM GUIAR A ESCOLHA DO MES PARA A INDÚSTRIA TÊXTIL

Sep 12, 2019 6:00:14 PM

Completo, especializado, moderno e flexível. Isso pode ser resumido como os principais elementos que devem orientar a empresa na escolha de um MES (Manufacturing Execution System) adequado para gerenciar os processos de produção na indústria têxtil. Analisamos cada um desses elementos em detalhes abaixo.

1. MES para a indústria têxtil: controle de produção em tempo real

 

Para ser completo, um MES para a indústria têxtil deve garantir o controle em tempo real, que também pode ser realizado remotamente, de todo o ciclo de produção. Recurso obtido graças a um conjunto de funcionalidades que devem coexistir na mesma solução. Em particular, esses recursos incluem:

  • gerenciamento do principal plano de produção ou MPS (Master Production Schedule)
  • programação geral e em máquinas individuais
  • definição do modelo ou padrão de produção ideal
  • gerenciamento de carga de trabalho também de laboratórios externos
  • simulação de planejamento, com possíveis mudanças
  • impressão e gerenciamento de códigos de barras ou etiquetas RFID
  • rastreabilidade para controle do progresso do trabalho
  • disponibilizando on-line a ficha técnica na estação de trabalho
  • monitoramento de rendimento e eficiência da fábrica
  • coleta de feedback em tempo real
  • criação das melhores condições possíveis para o local de trabalho
  • coleta e certificação de tempo e know-how da empresa
  • CQ integrado ao sistema

 

Para que a arquitetura geral do MES contribua efetivamente para a dinâmica do Lean Manufacturing, na qual o desperdício é minimizado, é essencial que as funções indicadas acima sejam perfeitamente integradas entre si e facilmente acessíveis ao usuário final.

 

2. A especialização que vem de uma experiência comprovada

 

O segundo fator essencial de um MES para vestuário têxtil é que ele é um sistema vertical, especializado no setor e não genérico. De fato, existem softwares no mercado voltados para o mundo produtivo em geral, que são adaptados, de tempos em tempos, ao contexto específico. Esse fato cria um desalinhamento entre as necessidades específicas, típicas da cadeia Moda (como existem em cada área de fabricação), e o gerenciamento que deve governar os processos diretamente na fábrica. É por isso que é importante recorrer a quem já possui experiência na implementação de soluções ad hoc, documentadas por histórias de casos e depoimentos de empresas que comprovam a validade da infraestrutura comprovada em campo.

Verifique também se os recursos que o MES possui já estão presentes e incluídos no pacote que você vai comprar e não apenas uma idéia a desenvolver.

 

3. Uma arquitetura que dialoga com as tecnologias da Indústria 4.0

 

Um moderno MES para a indústria Fashion significa ser concebido à luz da fábrica inteligente na Indústria 4.0. A experiência consolidada no gerenciamento dos fluxos de produção também deve ser enriquecida pelas contribuições evolutivas de um paradigma que hoje vê a fábrica no centro de tecnologias inovadoras e integradas. As tecnologias facilitadoras ou KET (Key Enabled Technologies) da Indústria 4.0 permitem aos dados, adquiridos de fora e de dentro, um aumento no patrimônio cognitivo que quebra os silos entre mercado e produção, e é por isso que eles devem dialogar com o MES. E isso se aplica aos dispositivos IoT (Internet das Coisas), plataformas baseadas em nuvem e Big Data Analytics, realidade aumentada, segurança cibernética de última geração, informações coletadas e organizadas ao longo de toda a cadeia de valor. Consequentemente, a concepção do Sistema de Execução de Manufatura não pode traçar velhos modelos de gestão da produção no setor têxtil-vestuário, mas deve ser o resultado de tecnologias 4.0 adaptadas ao mercado digital (também 4.0).

 

4. Flexibilidade e escalabilidade para atender todas as necessidades de moda

 

O último atributo que não deve ser subestimado em um MES para a indústria têxtil é a sua flexibilidade, que representa o outro lado da sua especialização no setor. De fato, uma vez que se trata de um setor com variáveis ​​diferentes, dependendo se estamos falando de molduras, malhas, agasalhos masculinos, roupas femininas, calçados ou roupas de trabalho. A lógica básica permanece comum em todos os diferentes ambientes de produção, mas sua aplicação é recusada em cada uma das atividades individuais com módulos que incorporam prontamente as necessidades específicas de linhas e fábricas de produção (integração com máquinas e estruturas, uma estrutura diferente do processo de produção). produção, integração com o transporte aéreo, etc.). Além disso, a flexibilidade do MES também precisa ser traduzida em escalabilidade, ou seja, a capacidade de aceitar outras necessidades no caso de surgirem posteriormente: desde o aumento de volumes até a modificação dos produtos a serem feitos, por exemplo, ditados por pedidos provenientes de novas empresas clientes até a abertura de outras fábricas no Brasil e no exterior. A flexibilidade e a escalabilidade garantem que o investimento em software não esteja sujeito a uma rápida desvalorização causada pela rápida obsolescência, porque, quando os cenários mudam, o MES pode responder de forma imediata e correspondente.

Topics: Industria 4.0 Moda, ERP Fashion